Avenida Nossa Senhora do Sabará, 4029 - Cidade Ademar, São Paulo/SP

Idosos conectados e antenados na UBS Jardim Miriam 2

A UBS Integral Jardim Miriam 2, aqui na zona Sul, em parceria com a Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (Adra), está realizando o curso de Inclusão Digital para idosos do PAI (Programa Acompanhante de Idosos) da unidade. O objetivo do projeto é incluir pessoas da terceira idade, cujas idades variam entre 60 e 70 anos, no mundo digital para que possam ganhar autonomia no uso das tecnologias.
O PAI é uma modalidade de cuidado domiciliar biopsicossocial oferecida a pessoas idosas em situação de fragilidade clínica e vulnerabilidade social, disponibilizando a prestação dos serviços de profissionais da saúde e acompanhantes de idosos para apoio e suporte nas suas atividades diárias e para suprir outras necessidades de saúde e sociais.
Os idosos do PAI foram convidados a participar,mas o número de vagas não foi suficiente para incluir todos os interessados nesse primeiro momento. Assim, a próxima turma que já está formada, deve começar os estudos no segundo semestre deste ano. São oito vagas por semestre, em função do número de computadores existentes no espaço cedido pela Adra.
Renata Tomas, Assistente Social da UBS, falou sobre os benefícios da inclusão digital para o idoso: “Não é só aprender Excel, Windows etc. É também aprender a viver nesse mundo, uma oportunidade de socialização e de exercitar a cidadania”.
As aulas acontecem duas vezes na semana, no período da manhã, na unidade da Vila da Agência Adra , e o curso tem duração de quatro meses. Apesar das vagas não distinguirem gênero, a turma é formada apenas por mulheres, que são transportadas pelo carro do PAI para as aulas. Virgínia Romero, professora do curso e coordenadora administrativa do Núcleo Adra Vila Clara, não só ensinará as alunas a usar programas como o Word, Excel e internet, como também as plataformas mais desejadas pelas participantes: as redes sociais. Já Johnny Dias, auxiliar de coordenação da Adra, conta que a ideia de promover esse curso já estava sendo amadurecida há anos, mas só agora surgiu a parceria com a UBS Jardim Miriam.
“Para mim é bem difícil, porque eu esqueço as teclas e o que elas fazem. Mas eu estou empolgada com o curso”,conta a aluna Shira Oshiro que, com as aulas, espera não ter mais que pedir ajuda ao sobrinho para mexer em aparelhos eletrônicos.

Taynara Carmo
Colaboração